© 2017 desenvolvido por Indoor Brasil

Seminário debate estratégias diante do aumento de 300% nos focos de incêndios

21/10/2019

Os focos de queimadas em Mato Grosso do Sul aumentaram 303% neste ano, no período de quase dez meses em relação ao ano passado, seguindo o cenário preocupante de avanço de incêndios do restante do Brasil. Em Campo Grande, a quantidade também dobrou em comparação a 2018, durante o período crítico de estiagem. Os dados foram repassados na manhã desta sexta-feira, durante o Seminário Direto ao foco – queimadas, meio ambiente e políticas públicas, na Câmara Municipal. O evento foi promovido pelo vereador Eduardo Romero, coordenador nacional da Frente Parlamentar de Vereadores Ambientalistas, contando com vários parceiros e entidades que atuam na questão ambiental.

 

Além da Frente Parlamentar, o seminário foi promovido pelo movimento Acredito, Comitê Municipal de Combate aos Incêndios Florestais e Urbanos de Campo Grande, com apoio da Câmara Municipal de Campo Grande, Prefeitura de Campo Grande e Assembleia Legislativa. A partir dos dados apresentados, que são discutidos periodicamente, será definido como podem ser planejadas estratégias para efetivar políticas públicas de proteção ao meio ambiente e para evitar a repetição desses casos durante a época de seca, principalmente nos meses de julho a setembro.

 

O vereador Eduardo Romero destacou que o seminário foi organizado a partir da ideia dos integrantes do movimento Acredito, que procuraram a Câmara e outras instituições para entender a dinâmica das queimadas neste ano e buscar soluções para minimizar esse problema. Ele defendeu que haja espaço para sociedade civil ter acesso às informações. “Mudança cultural se faz com ocupação de espaço, ocupando brechas, que é o que vocês estão fazendo hoje. Temos várias políticas públicas, mas os dados mostram que as ações ainda não são suficientes. Continuamos com dificuldades até de equipamentos para os comitês e as prefeituras. Então, temos que melhorar”, afirmou.

 

Romero enalteceu disposições para manter as discussões com as parcerias formalizadas. “O Legislativo pretende absorver o que foi discutido para apresentar novas legislações ou com emenda ao Orçamento, que está sendo debatido na Casa”, salientou. Ainda em junho, na Semana do Meio Ambiente, a Câmara promoveu o lançamento da campanha “Onde tem Queimada, não tem saúde!”, além de realizar ações durante o Agosto Alaranjado.  

 

De janeiro até o dia 14 de outubro deste ano, Mato Grosso do Sul teve 8.354 focos de incêndio, aumento de 303% em relação ao ano passado, quando foram 2.064 ocorrências. O dado foi repassado pelo meteorologista da Uniderp/Anhanguera, Natálio Abrahão Filho, que também apresentou estatísticas de comparativos das queimadas em relação a outros estados e países.

 

Neste mesmo período, no Brasil foram 153,9 mil focos registrados, aumento de 47% em relação ao ano passado. A Amazônia lidera os casos. No Cerrado, foram 43 mil focos. Os gráficos apresentados mostram aumento ano a ano das queimadas. “A política de combate não está eficiente nem gerando resultados. Não existe fogo espontâneo nesses casos, é a mão humana que provoca o fogo”, ressaltou o meteorologista.

 

Ele demonstrou ainda preocupação com as consequências expressivas deste excesso de queimadas, nos meses de estiagem – de junho a setembro principalmente. “Se tenho muita partícula no ar teremos nuvens muito mais carregadas com consequência de chuvas. Isso em termos meteorológicos é alerta”, ressaltou, sobre o risco de chuvas mais fortes neste fim de ano.

 

O Comitê Municipal de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais Urbanos foi retomado em 2017 e é composto por 17 órgãos, entre eles poderes público municipal, estadual e federal, conselhos regionais de bairros, entidades e pela Câmara Municipal. São feitas reuniões mensais para promover debates com base em dados, segundo Vinicius Zanardo, do Comitê.

 

O número de atendimentos praticamente dobrou neste ano em comparação a 2018 em Campo Grande”, disse. A região do Bandeira liderou as ocorrências. Ainda, foram 55 mil atendimentos médicos por conta de problemas respiratórios, pois a fumaça agrava casos de asma, bronquite, por exemplo. Os danos na rede elétrica também aumentaram 40% de janeiro a setembro. As autuações por conta de queimadas para limpar terrenos também subiram de 50 no ano passado para 318 nestes nove primeiros meses do ano. O Comitê, entre outras ações, está desenvolvendo aplicativo para facilitar as informações sobre queimadas em tempo real.

 

Ainda em 2017, o mandato do vereador Eduardo Romero fez trabalho de conscientização junto a estudantes aplicando questionários para compreender o conhecimento dos alunos sobre as queimadas, meio ambiente e avaliando ainda o comportamento das famílias. No balanço, 56% disseram que conhecem alguém que limpa terreno ateando fogo, outros 12% revelaram que têm costume de queimar lixo.

 

O Coronel Catarinelli, da Sala de Situação do Governo de Mato Grosso do Sul, apresentou o trabalho que vem sendo feito em parceria com secretarias, Polícia Militar Ambiental, Corpo de Bombeiros e Prevfogo (Ibama). “Este ano já tínhamos expectativa da baixa quantidade de chuvas no período. Ativamos a sala de situação na Defesa Civil para acompanharmos indicadores e questões ambientais de forma integrada”. Houve o decreto de situação de emergência em razão do aumento dos casos.

 

Ele mencionou ainda os prejuízos para a saúde e econômia com as queimadas. “Temos o monitoramento, a fiscalização, mas é importante já pensar em 2020 e nos demais anos porque o incêndio florestal vem causando danos e precisamos de estratégias mais efetivas”, disse. Em relação às queimadas nos terrenos baldios, ele ponderou sobre a problemática dos vazios urbanos, que acabam contribuindo para agravamento dos problemas.

 

André Samambaia, do Movimento Acredito, falou sobre o desafio de tratar de questões importantes no Brasil, a exemplo do meio ambiente. Devido à demora de providências, acabam tornando-se urgentes, resultando apenas em respostas pontuais e rápidas. “Temos que discutir as formas que temos no meio ambiente para equalizar recursos com a nossa forma de vida. Precisamos participar dos debates e dessa construção, não apenas reclamando e denunciando, o que também é uma parte, mas tendo papel de compromisso na construção da política pública”, disse. Com objetivo de buscar soluções, a Câmara dos Deputados criou em setembro deste ano comissão externa para monitorar políticas públicas ambientais e seus impactos econômicos.

 

O debate contou ainda com a presença do deputado federal Dagoberto Nogueira. “Teremos consequências piores se não nos preocuparmos agora”, disse. Ele culpou o Governo de Jair Bolsonaro por decisões contrárias ao meio ambiente, principalmente na Amazônia, que teve recorde de focos. “Mesmo com as informações, ele quis argumentar que o satélite mente e tivemos esse volume de incêndio monstruoso”, criticou, relembrando ainda os cortes ao fundo de meio ambiente, causando prejuízos ao País.

 

O deputado estadual Pedro Kemp concorda que o País está sofrendo retrocessos significativos nas mais diversas áreas. “Temos retrocesso grande nesta área. Ainda existe queda de braço entre produtores rurais e meio ambiente. Se queremos investir no agronegócio é importante ter consciência ambiental clara. É preciso exigir produção sustentável. O Brasil está sofrendo com descaso do governo com a questão ambiental”, disse. Ele complementa que, diante do afrouxamento na política de fiscalização, é preciso a sociedade civil se mobilizar para reverter a prática de descaso do governo federal. Investir na conscientização, principalmente das futuras gerações, aliar desenvolvimento com sustentabilidade são algumas medidas apontadas pelo parlamentar como prioridades.

 

Serviço – Denúncias sobre incêndios podem ser feitas pelo 156 (Central de Atendimento ao Cidadão), de segunda a sexta-feira, ou 193 (Corpo de Bombeiros).

Compartilhar No Facebook
Compartilhar No Twitter
Please reload

Mais Lidas
Please reload

Please reload

Busca Por Mês
Leitura Recomendada

Este conteúdo está sendo cadastrado

Procurar por Tags
Siga a UCVMS
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram